terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Justiça de Rondônia autoriza travesti a mudar de nome mesmo sem cirurgia de mudança de sexo

Uma vitória foi conquistada pela travesti Anastácia Diniz de Rezende, de 31 anos, que trabalha como técnica em enfermagem.

A justiça de Rondônia concedeu a autorização para a mudança de nome nos documentos, mesmo sem Anastácia realizar a cirurgia de readequação sexual.

"Ter uma aparência feminina, mas ter um nome masculino gerava constrangimentos, o que afetava a dignidade da pessoa humana, que é um mandamento constitucional, e deve ser assegurado", explicou a promotora de Justiça Priscila Matzenbacher, responsável pela ação na Justiça, ao G1.

Com os documentos novos em mãos, Anastácia fala sobre uma situação de constrangimento que a motivou procurar os seus direitos.

"Precisei retirar uma mercadoria no Correios, mas quando apresentei o documento, a atendente questionou a identidade e tive que explicar toda a história. No recadastramento biométrico o funcionário me chamou de senhor, na frente de todos. Essas situações são muito constrangedoras", contou.

De acordo com o Ministério Público (MP), a vitória de Anastácia é o primeiro caso cujo documento é cedido sem que haja cirurgia no estado de Rondônia.

"Meu companheiro me aceita e me respeita do jeito que sou; apresentou-me a família e todos sabem como sou. Não tenho o porquê mudar de sexo. Se ele quisesse uma mulher completa, não estaria comigo. Apesar de não aceitar, a sociedade precisa nos respeitar", declarou Anastácia, que não pretende realizar a cirurgia.


Fonte ACapa

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

CINEMATECA GLS

Arquivo de Homens

De Homem para Homem

ASSIM EU ME APAIXONO

ENTRE IGUAIS