quarta-feira, 2 de julho de 2014

Com oito mortes por dia, SP muda atendimento de pacientes com Aids

Diante do quadro de oito mortes por dia em decorrência de complicações da aids, o governo do Estado de São Paulo vai mudar o atendimento dado aos pacientes, uma vez que falhas de assistência são algumas das razões das mortes. Nesta quarta-feira (2), um projeto será lançado e visa reorganizar a rede hospitalar e o atendimento de acordo com o grau de gravidade.

De acordo com a Folha de São Paulo, na Grande São Paulo um paciente demora até quatro meses para agendar uma consulta em serviço especializado. Dentre outras falhas, está a falta de prevenção, profissionais qualificados e leitos hospitalares.

Para investir na nova rede de assistência às pessoas com Aids, será investido R$ 30 milhões ao ano. A rede terá três tipos de unidade: a de alta complexidade, que visa tratar pessoas com aids e casos de câncer, fazer transplante e cirurgias; os hospitais estratégicos, que cuida das infecções oportunistas e outras complicações. E os hospitais de apoio, que ajudarão as duas unidades.

O trabalho também prevê atenção primária para prevenir casos entre a população vulnerável, como moradores de rua e usuários de drogas. "É aí que se encontra o maior número de morte. Eles não aderem ao tratamento", diz o infectologista Caio Rosenthal, do Instituto Infectologia Emílio Ribas.

A rede será ligada à rede oncológica do Estado, com 78 hospitais e ao programa Recomeço, que cuida de dependentes químicos. Nesta quarta-feira será inaugurada a nova Casa de Aids, em Pinheiros, que atenderá pessoas do Emílio Ribas e da antiga casa na Frei Caneca.

Fonte ACapa

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

CINEMATECA GLS

Arquivo de Homens

De Homem para Homem

ASSIM EU ME APAIXONO

ENTRE IGUAIS